Colaboração de todos pelo bem comum - Correio do Síndico

Home Top Ad

ANUNCIE AQUI

15 de outubro de 2014

Colaboração de todos pelo bem comum

Fundo de reserva deve ser usado para manutenção de despesas extras do condomínio e solução de pequenos imprevistos

O fundo de reserva é parte da obrigação do proprietário do imóvel na contribuição da manutenção do condomínio. A arrecadação está prevista na legislação e deve ser usada para cobrir a despesa de pequenos imprevistos e em prol das instalações do prédio.

De acordo com a assessora jurídica da Regional Norte do Secovi-PR, Adiolar Franco Zemuner, o percentual de fundo de reserva estabelecido por lei é de até 10% da taxa condominial. “O pagamento de uma porcentagem superior deve ser discutido em uma assembleia geral extraordinária e a precisa ter a aprovação de 2/3 dos proprietários”, explica. A advogada afirma que o fundo de reserva é um investimento do proprietário do imóvel, o locatário pode até pagar o valor, que já vem incluído no boleto do condomínio, mas ele deve ser ressarcido posteriormente.

O uso do fundo de reserva para situações de caráter emergencial pode ser feito pelo síndico desde que o valor necessário seja de até três salários mínimos. “Para uma retirada maior é preciso fazer uma assembleia, mesmo que a situação seja emergencial”, detalha. A advogada lembra que estas retiradas devem ser repostas. “No caso da necessidade de substituição da mola do elevador ou de uma bomba de água queimada, por exemplo, o síndico pode usar o dinheiro do fundo de reserva se ele for menor do que três salários mínimos, mas o valor deve ser dividido entre os condôminos posteriormente para reposição”, salienta.

Conforme a advogada, o fundo de reserva pertence ao condomínio e em hipótese alguma o proprietário que vende a sua unidade tem direito a receber a sua contribuição de volta. Cuidados como pintura, aperfeiçoamento nas instalações e mobília das áreas comuns são mantidos e substituídos com o valor do fundo de reserva e o bom estado geral do condomínio beneficia a todos os proprietários com a valorização do imóvel. “Como é necessária uma continuidade nos cuidados com o condomínio, o pagamento do fundo de reserva não deve ser interrompido”, define Adiloar.

A melhor maneira de fazer o fundo de reserva render é aplicando o montante na caderneta de poupança em um banco escolhido pelo síndico. No entanto, a advogada alerta para que o valor não seja aplicado em títulos por conta do fator da variação de risco e da impossibilidade de retirada imediata em caso de necessidade. Diante de situações em que o valor existente no fundo de reserva é insuficiente para fazer determinado reparo, o síndico pode sugerir um aporte de capital, desde que ele seja aprovado em assembleia pelos proprietários de 2/3 das unidades.

Fonte: Folha Web