Norma 16.280 da ABNT - Correio do Síndico

Home Top Ad

ANUNCIE AQUI

18 de dezembro de 2014

Norma 16.280 da ABNT

Conheça as 15 respostas para as dúvidas mais comuns da nova norma




Entrou em vigor em abril de 2014 a nova norma da ABNT, 16.280, que regulamenta as reformas em edificações, tanto na parte das unidades como nas áreas externas.

Como qualquer novidade, a nova regra gerou muitos questionamentos.

O Correio do Síndico escolheu as perguntas mais recorrentes em cursos e conversou com engenheiros, advogados, administradores de condomínios e um diretor da ASSOSÍNDICOS/DF para saber mais. Veja abaixo:

1- É necessário pedir autorização para o síndico mesmo se eu for executar apenas uma pintura? Se for apenas pintura, e nada além de pintura, dentro da unidade, não precisa de ART e nem de RRT e nem de autorização do síndico.

2- Se a norma da ABNT não é uma lei, por que preciso segui-la? Realmente as normas da ABNT não são leis. Porém, se houver algum acidente, o síndico e o morador que fez a reforma serão responsabilizados, já que a jurisprudência, ao longo do tempo, mostra que o caminho “correto” a ser seguido é o de obedecer às normas da ABNT, mesmo que as mesmas não tenham força de lei.

3- É necessário pedir autorização para o síndico mesmo se for trocar apenas o piso? A questão principal não é a troca do piso por um material semelhante. É a remoção do piso antigo com a utilização de marretas e ferramentas de alto impacto. Se houver o uso desse tipo de ferramental, é importante que a substituição seja feita por uma empresa especializada, e que a mesma forneça um ART ou RRT. Outro ponto a se destacar é o peso do novo piso, que pode ser incompatível com a estrutura da laje.

4- A nova norma serve também para as áreas comuns do condomínio, como reparo das quadras, churrasqueira e salão de festas? Sim. Porém, como nesses casos geralmente envolvem grandes somas, já era comum a escolha por uma empresa especializada e capacitada que oferecesse responsabilidade técnica pelo projeto.

5- Quem irá fiscalizar se o síndico realmente está cobrando as ARTs dos moradores que estão reformando as suas unidades? Como é um assunto de interesse de todos, os próprios moradores podem cobrar do síndico a fiscalização correta, seja por meio de uma comissão de obras que ajude o síndico a receber os projetos e ARTs ou RRTs, pelo conselho fiscal ou pelas prestações de conta em assembleias de condomínio.

6- E quando é o próprio síndico que está fazendo obra dentro de seu apartamento e derrubando paredes e tirando vigas? Pode ser o subsíndico, o conselho fiscal, mas o ideal é que se forme uma comissão de obras aprovada em assembleia, com poder de fiscalização e que a mesma peça para o síndico toda a documentação pertinente à obra.

7- Para instalar ar condicionado, rede de proteção ou banheira, precisa de ART? Para instalação de ar condicionado e banheira, sim, já que muitas vezes essa alteração vai incluir quebra de paredes e pode mexer com a parte estrutural da edificação. A rede de proteção não precisa de ART ou RRT, só deve ser instalada, porém, após a coletividade do condomínio escolher um modelo específico.

8- Para reformas na parte elétrica precisa de ART? Na grande maioria dos casos de reforma, onde há necessidade de um engenheiro eletricista, sim. Não há necessidade para a mera manutenção com pequenos reparos, situações em que basta um técnico eletricista.

9- Para efetuar reparos hidráulicos, provenientes de infiltrações/tubulações em geral, precisa de ART? Depende. Se for apenas uma intervenção para manutenção e depois disso, tudo voltar ao seu estado normal, não. Mas se houver necessidade de usar ferramental de alto impacto, ou perfurar uma laje, por exemplo, nesse caso a ART ou RRT são recomendados, sim.

10- Como o síndico pode agir quando um morador seguir com a obra mesmo sem apresentar a ART/RRT? O síndico pode parar a obra de diversas formas. O ideal, porém, é fazer um pedido formal e protocolado da ART ou RRT. Depois disso, caso não seja atendido, ele pode pedir o embargo da obra na Agefis, Crea e Cau, fazer um B.O. na delegacia relatando o ocorrido, ou ainda entrando com uma ação na Justiça, com um pedido de paralisação da obra. Outra saída é simplesmente não deixar o material ou os funcionários da unidade em reforma entrarem no condomínio.

11- É necessário que o síndico tenha apoio de alguma empresa ou de um engenheiro para validar as ARTs recebidas? Para se resguardar, principalmente no caso de grandes reformas, é recomendado que o síndico tenha com quem dividir a responsabilidade de analisar os projetos e as ARTs ou RRTs. Por mais que esses documentos atestem que a obra não trará problemas para a edificação, o síndico, sozinho, muitas vezes não tem condições técnicas de avaliar o que está ali. Uma saída é que o síndico contrate uma empresa especializada nesse tipo de serviço – deve haver necessariamente um engenheiro responsável na empresa. Outra alternativa é que a administradora do condomínio ofereça esse serviço. 

12- Qual a diferença entre Laudo, ART e RRT? Um laudo é fruto de uma análise de assunto técnico. A ART é uma Anotação de Responsabilidade Técnica, emitida pelo CREA (Conselho Regional de Engenharia e Agronomia). O RRT é o Registro de Responsabilidade Técnica, emitido por um profissional vinculado ao CAU (Conselho de Arquitetura e Urbanismo). O laudo não serve para assegurar ao síndico sobre a obra, mas a ART ou a RRT, sim.

13- Substituição do forro de gesso precisa de ART? A princípio, não. Como ali já existia o mesmo material, colocá-lo novamente ali não acarreta em prejuízo para a estrutura. Entretanto, se o novo forro for muito diferente que o original ou mais pesado, precisa de ART.

14- Reparo nas instalações de gás precisa de ART? Sim, tanto pela intervenção na estrutura, como pelo risco de explosão ou vazamento que envolve a obra.

15- Além da ART ou RRT, o que mais o morador deve entregar no momento de pleitear a autorização da obra? O morador deve entregar um escopo da obra, que deve explicar quais serão as alterações desejadas, um cronograma da mesma, que mostre quanto tempo a mesma deve durar, e se vai haver ruídos e em qual período. Também se deve entregar os nomes das empresas que estarão efetuando o reparo, além dos funcionários envolvidos na obra.

Pessoas consultadas: Francisco Rabello, Diretor de Engenharia da ASSOSÍNDICOS/DF; Emerson Tormann, Diretor de Vistoria da ASSOSÍNDICOS/DF; Tarley Max, Max e Acunha advogados associados e Denner Batista, Síndico Profissional.