Sistema Israelense revoluciona a forma de usar o banheiro - Correio do Síndico

Home Top Ad

ANUNCIE AQUI

16 de janeiro de 2015

Sistema Israelense revoluciona a forma de usar o banheiro

Citado pela primeira vez na história em 1596, o vaso sanitário revolucionou os cuidados com saúde de toda a humanidade. Até seu surgimento, as fezes eram descartadas das mais aberrantes formas, inclusive lançadas pelas janelas dos castelos em plena via pública, prática que causava, além do desconforto estético, mau-cheiros e doenças.
A invenção do vaso sanitário foi uma revolução não só no visual das cidades mas, principalmente na redução das mortes por diversos tipos de doenças. Mantendo praticamente o mesmo sistema básico – suporte para sentar-se e água para conduzir os detritos – os vasos sanitários mais comuns utilizam uma média de 6 a 8 litros de água para cada uma das descargas. E é justamente aí que entra um dos problemas que aflige a humanidade desde o remoto ano de 1596: O que fazer com o desperdício desta água e com o destino dos dejetos.


Encravado numa região que dispõe de poucos mananciais de água, Israel tem que pensar a todo momento em alternativas que reduzam o desperdício deste bem precioso. Foi nessa linha de pesquisa que a empresa Paulee CleanTec apresentou seu projeto e recebeu um prêmio fundação de Gates de US$ 110 mil.

O que existe de mais revolucionário no vaso sanitário do banheiro desenvolvido pela empresa israelense é que ele não só não necessita de descargas, como recicla 100% dos dejetos nele depositados. Sólidos e líquidos são reaproveitados imediatamente, sem a necessidade de água, energia nem redes de esgotos.

O banheiro israelense separa automaticamente resíduos sólidos e líquidos em compartimentos diferentes. Quando o usuário dá a descarga, o vaso sanitário inicia um processo químico que converte os resíduos sólidos, incluindo papel higiênico, em cinzas estéreis e converte e recicla os resíduos líquidos. Isto leva menos de 30 segundos.

O mais impressionante ainda é que este processo também está integrado num sistema responsável pela geração de eletricidade que é utilizada para lavar e esterilizar o vaso e fornecer iluminação para o banheiro. No telhado do banheiro encontra-se um pequeno painel solar que funciona como fonte extra de energia para o sistema. As cinzas estéreis resultantes dos resíduos sólidos é rica em potássio, fósforo e azoto que após retiradas do compartimento de coleta podem ser utilizadas como composto orgânico totalmente seguro e estéril.

VANTAGENS DO BANHEIRO ISRAELENSE

1. O banheiro pode ser fixo ou portátil;

2. Trata-se de um ambiente totalmente auto-suficiente, sem necessidade de infra-estrutura adicional;

3. Ele processa todos os tipos de resíduos em segundos, 100% dos dejetos transformam-se em cinzas estéreis;

4. O vaso não requer uma fonte de água;

5. O banheiro não necessita estar ligado ao sistema de esgotos;

6. O equipamento é simples e de fácil manutenção;

7. Não necessita rede elétrica, pois gera seu próprio fornecimento de energia;

8. É feito de material resistente e tem uma vida útil extremamente longa:

9. É 100% amigo do ambiente, utilizando apenas produtos químicos seguros;

10. O custo de instalação é extremamente baixo.



ONDE PODE SER UTILIZADO



1. Países onde a água seja escassa, como os países africanos ou algumas regiões de seca do Brasil;

2. Países que tenham dificuldade para implementar redes de esgotos assépticas;

3. Pequenos, médios e grandes eventos;

4. Canteiros de obras das grandes construtoras.

Partindo do mesmo princípio, a empresa israelense está prestes a revolucionar também a forma como lidamos com os dejetos dos nossos animais de estimação. A empresa adaptou a tecnologia dos tais vasos sanitários incorporando-a a pequenos bastões que recolhem as fezes de cães reciclando-as em apenas 20 segundos! As pessoas podem passear com seus cães e assim que eles defecarem o bastão recolhe as fezes sem que a pessoa tenha que utilizar sacos plásticos e nem mesmo abaixarem-se. Logo depois, transformada em cinzas, ela passa a ser adubo para qualquer planta que estiver nas proximidades.

A contribuição da empresa israelense vai além da questão estética, pois não se limita apenas a eliminar apenas resíduos fétidos que sujam nossos pés. As fezes dos cães contém parasitas, bactérias e vírus que podem contaminar as águas subterrâneas, os rios, lagos e oceanos se não forem descartados corretamente. Se as fezes do cão são deixadas em gramados e em parques, parasitas podem ser transferidos para quem tiver contato com estes gramados.

Já o “banheiro” desenvolvido para gatos chega a ser uma verdadeira peça de arte. Levando em consideração as características próprias destes animais, cuja natureza os leva a enterrarem suas fezes, o banheiro felino dispõe de uma divisão contendo areia e de outra onde encontra-se o reciclador. As fezes são colhidas da areia e depositadas no reciclador sendo assim processadas, da mesma forma que nos outros banheiros.

A eliminação dos resíduos dos gatos é uma questão mais problemática do que a dos cães, uma vez que a urina do gato contém produtos químicos tóxicos, tais como amônia, aminas, e Methanethiol. Já as fezes contém parasitas que podem prejudicar os seres humanos e outros animais. A toxoplasmose é uma das doenças parasitárias mais comuns e o gato um dos mais eficazes transmissores. 

Os produtos desenvolvidos pela Paulee CleanTec estarão disponíveis no mercado à partir do final de 2015, não havendo ainda previsão de lançamento no Brasil.

Com o passar do tempo, não é difícil imaginar que todos nós possamos ter em nossas casas banheiros baseados na tecnologia que está sendo desenvolvida por essa empresa israelense. Indiscutivelmente a implementação destes banheiros significarão não apenas conforto para nossas vidas como uma significativa redução de custos para as empresas de construção, pois eles não requerem canos, caixas de distribuição e fossas. Nossos bolsos agradecerão e o meio ambiente mais ainda.

Por: Francisco Rabello