Programa Ame, Mas Não Sofra retoma atividades - Correio do Síndico

Home Top Ad

ANUNCIE AQUI

20 de junho de 2016

Programa Ame, Mas Não Sofra retoma atividades

Iniciativa voltada ao atendimento de familiares de dependentes de drogas ganhará unidade de apoio itinerante. Relançamento acontece na quarta-feira (22)

Programa "Ame, mas não sofra" retoma atividades
Foto: José de Paula.
Destinado a fortalecer o núcleo familiar, colaborando no tratamento de dependentes químicos, o programa Ame, Mas Não Sofra retoma as atividades na quarta-feira (22). A iniciativa da Secretaria de Justiça e Cidadania tem como objetivo auxiliar os parentes de usuários de drogas. O trabalho terá como novidade o atendimento itinerante nas diversas regiões do Distrito Federal.

Criado em dezembro de 2013, o programa foi interrompido em dezembro de 2015, mas agora está de volta com recursos provenientes de parceiras com empresas privadas. O atendimento itinerante vai ser feito em diversas cidades e contará com uma equipe de psicopedagogos para orientar os familiares dos dependentes a respeito dos cuidados consigo ao longo do processo de recuperação do ente querido. “A palavra-chave é esclarecimento. Ninguém será capaz de ajudar um parente a se livrar do vício se estiver agindo em desespero. Tampouco será possível colaborar fazendo uma abordagem carregada de preconceitos. A dependência química é uma doença e deve ser encarada seriamente”, explica Hugo Souza Lima, subsecretário de Políticas para Justiça, Cidadania e Prevenção ao Uso de Drogas, da Secretaria de Justiça e Cidadania. Lima coordena o Ame, Mas Não Sofra.

Profissionais que atuam no programa relatam a angústia de familiares de usuários de drogas. Os casos vão desde pais e mães que, aguardando os filhos voltarem para casa, perdem noites de sono e prejudicam o desempenho no trabalho, até parentes que favorecem o consumo de substâncias ilícitas ao quitar dívidas com traficantes. “Primeiro, é preciso se fortalecer, abandonar o sentimento de culpa. Depois, em vez de simplesmente condenar o usuário, deve-se fazer proposições assertivas que conduzam ao fim da dependência”, detalha o subsecretário Hugo Souza Lima.
No ano de 2015, o programa prestou 665 atendimentos. Desse total, 76% eram mulheres e 24%, homens.

O familiar que mais recorreu à iniciativa foram as mães (33%). Quanto à substância utilizada, a maconha foi citada em 41% dos casos, seguida por álcool (27%) e por cocaína (19%). A idade do dependente cujas famílias mais utilizaram o serviço é maior de 36 anos (28%). Depois, vem a faixa etária compreendida entre 19 e 21 anos (20%). A iniciativa é desenvolvida em eventos gratuitos por meio de palestras de profissionais especialistas, de depoimentos e da participação de grupos de apoio.


Reativação do Programa “Ame, mas não sofra”

Em 22 de junho

Às 15 horas

Na Secretaria de Justiça e Cidadania

SAIN – Estação Rodoferroviária – Ala Central

Mais informações: (61) 2104-1870 ou pelo e-mail amemasnaosofra@sejus.df.gov.br


Próximo curso:

Em 28 e 29 de julho

De 14 às 18 horas

No Auditório da Fundação de Ensino e Pesquisa em Ciências da Saúde (Fepecs)

SMHN Quadra 3, conjunto A, Bloco 1 – Edifício Fepecs


(61) 3325-4956