Escassez de água faz Adasa anunciar medidas de redução de consumo no DF - Correio do Síndico

Home Top Ad

ANUNCIE AQUI

16 de setembro de 2016

Escassez de água faz Adasa anunciar medidas de redução de consumo no DF

Principal reservatório de abastecimento de Brasília, Barragem do Rio Descoberto atingiu o mais baixo nível da história de sua capacidade na tarde desta sexta-feira (16) e colocou Brasília em estado de alerta


A escassez de chuvas em Brasília levou a Barragem do Rio Descoberto a atingir o nível mais baixo de sua história. O reservatório responsável por abastecer 65% do Distrito Federal estava com apenas 40% da capacidade até às 14h35 desta sexta-feira (16). A medição é feita desde 1989. O ideal é que ele se mantenha acima de 60% de seu volume útil.

Por isso, a Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal (Adasa-DF) declarou estado de alerta por situação crítica de escassez hídrica para a capital do País. Na tarde de hoje, o diretor-presidente da agência, Paulo Salles, assina a Resolução nº 15, de 2016, que recomenda medidas a fim de assegurar a manutenção dos recursos neste fim de ano.


Para minimizar os efeitos da estiagem, a Adasa começou a adotar medidas de racionalização do consumo, como intensificar as campanhas educativas e aumentar a fiscalização para coibir captação ilegal de água. A resolução apresentada nesta sexta determina suspender a emissão de autorizações para uso dos recursos hídricos superficiais, ou seja, para fins que não sejam extremamente necessários, e orienta a população do DF a evitar o uso de água tratada para lavar carros, garagens, para irrigação paisagística e encher piscinas.

A redução da pressão dinâmica das redes de distribuição de abastecimento nas redes de distribuição, das 22 horas às 5 horas do dia seguinte, é outra alternativa que pode ser tomada para forçar a queda no consumo na cidade.

No reservatório de Santa Maria, o segundo maior do DF, a situação também é preocupante. Nesta quinta-feira (15), ele apresentava 50,35% da sua capacidade. Para reduzir os impactos da estiagem, uma outra resolução, a de número 13, de agosto de 2016, da Adasa, estabelece ações que podem ser tomadas durante os estados de atenção e de alerta, como controlar a distribuição de água por tempo e em locais determinados.
"Se cada um reduzir o seu consumo, vamos conseguir chegar ao período de chuvas sem a necessidade de adotarmos medidas mais rigorosas."Paulo Salles, diretor-presidente da Adasa-DF

Durante os estados de alerta ou de atenção, a fiscalização para evitar a captação clandestina de recursos hídricos também deve ser incrementada.

O diretor-presidente da Adasa confirma que a situação é delicada e pede a contribuição efetiva dos brasilienses para economizar. “Se cada um reduzir o seu consumo, vamos conseguir chegar ao período de chuvas sem a necessidade de adotarmos medidas mais rigorosas”, convoca Paulo Salles.
Último ciclo de chuvas é o 4º menor desde 1978

Os 86 dias sem chuva em Brasília em 2016 — de 17 de maio a 11 de agosto — contribuíram para a redução dos níveis dos reservatórios que abastecem a cidade. Levantamento da Caesb mostra que o ciclo de chuvas de 2015-2016, na região onde fica a Barragem do Rio Descoberto, é o quarto menor de uma série histórica que começou a ser medida em 1978-1979. O ciclo sempre tem início em setembro de um ano e acaba em agosto do ano seguinte.

O chefe da previsão do tempo do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), Luiz Cavalcanti, explica que as altas temperaturas computadas em setembro — a quarta-feira (14) registrou o dia mais quente do ano, com 34º e 15% de umidade relativa do ar — intensificam a evaporação da água, o que acelera a redução das bacias que abastecem o Distrito Federal. “Diante de um longo período de secura, a atmosfera busca água onde tiver, e a evaporação de rios e bacias se torna muito mais intensa”, destaca.
"Diante de um longo período de secura, a atmosfera busca água onde tiver, e a evaporação de rios e bacias se torna muito mais intensa."Luiz Cavalcanti, chefe da previsão do tempo do Instituto Nacional de Meteorologia

As poucas precipitações no período e o aumento no consumo de água pela população nos últimos anos impactaram diretamente no esvaziamento das bacias. Pelas projeções da Caesb, o DF deve chegar ao fim de 2016 com o consumo de 183 milhões de metros cúbicos de água — o maior dos últimos sete anos. Em 2015, foram 181 milhões de metros cúbicos. Em 2010, mediram-se 150 milhões de metros cúbicos.

Para diminuir o desperdício de água na capital do País, a Caesb está substituindo as redes dos Lagos Sul e Norte. Os técnicos da companhia instalam novas válvulas redutoras de pressão, o que evita vazamentos. “É um trabalho com resultado extremamente relevante, pois vamos evitar a perda excessiva de água nas nossas redes”, diz o presidente da Caesb, Maurício Luduvice.

Ocupações irregulares influenciam na perda de recursos hídricos
Nível baixo de água na Barragem do Descoberto levou Adasa a decretar estado de alerta. Foto: Tony Winston.

A falta de água verificada nos principais reservatórios do DF é explicada por outro fator: as ocupações irregulares do solo. Além de afetar mananciais importantes e destruir extensas áreas de vegetações, pessoas que erguem moradias sem a anuência do poder público se valem da captação clandestina de água nas redes da Caesb. Por isso, as ações do governo de Brasília contra a grilagem de terras visam garantir também a preservação dos recursos hídricos. Desde o início de 2015, a Agência de Fiscalização do Distrito Federal (Agefis)recuperou mais de 6,1 milhões metros quadrados de áreas públicas.


A falta de investimento público nos últimos anos em sistemas para aumentar a capacidade de armazenamento e distribuição de água também concorreu para a situação crítica. A última grande obra de captação no DF ocorreu há 16 anos, com a construção da Bacia do Pipiripau. Nos próximos dias, uma intervenção de vulto começará próximo à saída do Parque Nacional de Brasília, com a construção do subsistema do Bananal, reservatório que terá capacidade para fornecer água a cerca de 170 mil moradores do Plano Piloto, Cruzeiro e Lago Norte. O investimento será de R$ 20 milhões.